terça-feira, 18 de julho de 2017

Valéria Gravino publica artigo na revista E-Commerce Brasil



Valéria Gravino, advogada e escritora, parceira do Phalavraria, terá um artigo publicado na edição de número 40 da revista E-Commerce Brasil . O artigo trata da nova lei do imposto de renda sobre investidor. O lançamento dessa edição especial da revista se dará no Fórum E-commerce Brasil que acontece todos os anos em SP e contará com participantes de renome como o Arnaldo Jabour, Marcelo Tas, Glória Khalil, Abílio Diniz entre muitos outros. A presença da autora no evento ainda não foi confirmada, mas sua colaboração para enriquecer o conteúdo da revista já é motivo de muitos elogios no mundo dos negócios. O Phalavrarioa não poderia deixar de parabenizar a autora que, além de ser uma romancista notável, ainda se destaca entre os profissionais do Direito tributário. 

link para quem desejar se inscrever no fórum:






sábado, 15 de julho de 2017

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O AUTOR LUCAS NANGI





Leitores e amigos do Blog, hoje eu trago em primeira mão para vocês, a entrevista do nosso super parceiro e talentosíssimo escritor Lucas Nangi, autor do livro Phronus - A Canção Da Ruína Dos Mundos, que já apresentamos anteriormente por aqui. Vamos conhecer um pouco mais sobre ele, sua obra, sua carreira e inspirações, além disso, ele também nos deixa dicas preciosas para quem está ingressando na carreira.



Eu - Olá Lucas. Conta pra gente como foi o início da sua carreira?

Lucas - Olá! Não sei bem dizer quando foi o início. Se foi quando comecei a escrever, ainda que de forma bem amadora e juvenil, foi aproximadamente aos treze anos. Se foi quando eu tive o primeiro impulso para frente, pensando em seguir carreira como escritor, me profissionalizar nisso, foi em 2015. Fui convidado, pela escritora Camila Bernardini, para a coletânea "E quem souber... que conte outra", da editora Darda, organizada pela Shirley Couto. Tive 2 contos publicados nessa coletânea e, desde então, venho buscando mais publicações, escrevendo cada vez mais, estudando livros de escrita e fazendo amigos no ramo, em busca de sempre me aprimorar. 2015, aos 25 anos..


Eu - E além da Phronus, você tem algum outro livro já publicado?

Lucas - Tenho contos em coletâneas de diversos autores, pela editora Darda, Illuminare, Casa e Cultura. Mas um que seja apenas meu está prestes a sair. Quando participei da coletânea "Nós e o Amor" da Darda, recebi o prêmio de ter um livro solo, pois elegeram o meu conto como o melhor. Assim, (creio que mês que vem já terei em mãos) estou prestes a lançar minha nova obra "Ecos Literários do Fim do Mundo", contendo contos apocalípticos.

Eu - Nossa, que legal!
Lucas – Obrigado.


Eu - Como foi pra você a busca pela publicação? Quais as dificuldades que você encontrou para conseguir publicar a sua primeira obra?

Lucas - Busquei pela internet, editoras que publicavam livros do mesmo gênero que o meu, "Phronus", ou seja, de fantasia. Observei como eram os modelos de publicação e enviei a obra para 3 editoras. A Autografia respondeu em 2 meses, tendo interesse por publicar. Aceitei com alegria. Porém, a editora tem um modelo de publicação com "pacotes" na qual o escritor deve adquirir exemplares da obra a um preço mais barato enquanto ela faz o serviço (capa, diagramação, etc...). Meses depois, em grupos de escritores, vi muitos deles criticando isso, mas entendo que editora é uma empresa que precisava minimizar qualquer eventual prejuízo. Outras editoras cobrariam até 3x mais, pelo que vi. Assim, penso que o mais complicado dessa primeira publicação foi arcar com a compra de uma tiragem de meus livros. Isso me fez decidir que, da próxima vez, irei buscar editoras ditas "tradicionais" primeiro, para ver se "arriscam" publicar minha obra ou ver os custos da autopublicação.


Eu - E porque fantasia?

Lucas - Ah, creio que seja uma questão subjetiva. Fantasia, aventura e terror sempre me atraíam. Tolkien é meu escritor preferido, seguido por André Vianco, Stephen King e Rowling há mais de 10 anos. Desde 2016 venho tendo contato com livros de ficção científica (Asimov, principalmente) e me apaixonado por essa área também. A fantasia é um gênero grandioso, no qual você pode se ver criando mundos e personagens novos em histórias que beiram a realidade, tanto ultrapassando-a quanto encontrando verossimilhança com ela. Reflete os sonhos de muitas pessoas, às vezes sonhos que tinhamos na infância e perdemos na fase adulta. Guerreiros, magos, aventuras, felicidades em lugares belos... todo um conjunto de fatores que fazem da fantasia um gênero diferenciado, em minha visão e que me atrai bastante.


Eu - Agora sobre o Phronus especificamente: De onde você tirou a ideia, ou a inspiração para criar aquela história?

Lucas - É uma história que venho pensando desde os quatorze anos. Personagens ali vieram de brincadeiras e jogos de RPG com meus amigos, situações do livro baseadas (mas modificadas) de situações reais. Quando escrevi a primeira versão, era algo esdrúxulo e pura comédia. Depois passei para a segunda versão, tentando melhorar a comédia. Porém, já adulto, por volta dos 21 anos, percebi que poderia melhorar aquilo. Joguei fora a comédia, montei os personagens, pensei em minhas leituras, em meus jogos, em tudo aquilo que, na infância, sonhava com o livro, e o escrevi. Há partes que estavam planejadas entre 10 e 6 anos atrás e só escrevi em 2015, Há partes que "vieram" na hora da escrita, diálogos, situações especiais, algumas lutas. Um misto de planejamento com inspiração e vontade de escrever algo grandioso.


Eu - E ficou muito bom, pode acreditar! Você tem alguma rotina para escrever, alguma mania só sua, ou coisa assim?

Lucas – A obrigado! Primeiro e mais importante: só escrevo com música. Ela me inspira quando não estou escrevendo, e sigo o ritmo dela na hora de escrever, reler, reescrever e revisar. Segundo: eu tinha uma rotina de escrever toda manhã e estudar para concurso de tarde. Porém, os estudos "pesaram" e tentei passar a escrever apenas 3 páginas por dia (dica do escritor André Vianco). Ainda assim, pesava (tento estudar o máximo possível). Passei a escrita para domingo. Mas não aguentei e retomei, todo dia, tento no mínimo 2 páginas. Muitas vezes, mesmo sabendo que posso escrever mais, eu paro e vou estudar pra concurso... tentar fazer disso um hábito e ser produtivo.


Eu - Você pretende ingressar em que função pública?

Lucas - Estudo para Tribunais de Justiça, Eleitorais e Regionais (sou formado em Direito e em História. Seja como analista ou técnico, tendo um salário bom, sendo estável e não precisando levar trabalho para casa, posso me dedicar melhor à escrita e investir nela com mais qualidade (tanto mentalmente quanto financeiramente)


Eu - Então sua carreira de escritor está nos seus planos de futuro?

Lucas – Sim está, com certeza. É meu objetivo de vida, ser profissional e ter fãs. Mais do que ganhar dinheiro com escrita, quero andar na rua e ver alguém falando: "Meu Deus! Você é Lucas Nangi! Adoro seu livro! Ser tietado e ser feliz. Hahaha...


Eu - Que ótimo! rss...
Que conselho você daria para escritores iniciantes que estão buscando publicar um primeiro livro?

Lucas - Tenha paciência com a publicação. Quando finalizar, deixe o livro de molho por uns 2, 3 meses, "esquecendo-o". É difícil, mas vale a pena! Depois releia, terá outros olhos p história. Então verá erros, coisas que poderia melhorar, algo que pode tirar. Irá revisar, reescrever, tenha leitores betas, revisores, e reescreva de novo e releia. Então busque as editoras. A história ficará impecável! Melhor a paciência do que se arrepender depois por algo que poderia ter ficado melhor.


Eu - É um ótimo conselho.
Agora, para finalizar, o que você acha que faz a diferença entre um Bestseller e um livro que vai vender algumas cópias e ficar esquecido na história?

Lucas – A dedicação do escritor e a escolha dele entre ser profissional, ou apenas escrever. Ser profissional requer estudar temas, mercados, editoras, escrita, detalhes para a história ter verossimilhança (mesmo sendo ficção!!), e escrever sempre! Tratar escrita como profissão, não apenas como algo que vem na hora de inspiração. É transpirar bem mais. Assim, é possível criar histórias que ficarão para a história! Vide Tolkien e todo seu processo de escrita (para quem não conhece e quer ser escritor profissional, recomendo conhecer; ajuda a inspirar nessa vida). Aos que apenas querem escrever, publicar algo apenas por publicar, desejo toda a sorte e não censuro, mas, para isso, não irão se esforçar e se dedicar à escrita como os que sonham em ser escritores e dão tudo de si nesse caminho.


Eu – Está corretíssimo. Você gostaria de fazer alguma observação para encerrarmos a entrevista?

Lucas - Para finalizar, aos leitores amantes de fantasia, deixo aqui a recomendação de minha obra "Phronus - A canção da Ruína dos Mundos". Uma história repleta de magia, batalhas épicas, sacrifícios, traições, viagens a outros mundos e criaturas fantásticas que vão te conquistar! Aos escritores, não desistam! Tudo que fizerem, vão haver críticas boas e ruins, jamais deixe que isso te abale! Força na pena que o sucesso virá! E agradecimentos especiais para a Adriana Marinho e seu belíssimo blog "Phalavraria"! Pela atenção, carinho e ajuda que dá aos escritores iniciantes! Sempre bom saber que há pessoas com quem podemos contar! Não deixem de conferir o blog! Indicações e resenhas de livros super especiais! Abraços a todos e obrigado pela paciência de chegarem até aqui!

Eu - Lucas, muito obrigada pela sua disponibilidade em nos conceder esta entrevista. É muito bom poder levar um pouco mais sobre você para os nossos leitores.


É ISSO AI PESSOAL, EU ESPERO QUE VOCÊS TENHAM GOSTADO.  ATÉ Á PRÓXIMA!

ADQUIRA SEU EXEMPLAR DIRETAMENTE COM O AUTOR PELA PÁG DO FACEBOOK:



 SKOOB ( ADICIONANDO O LIVRO COM "QUERO LER", GANHE 10 REAIS DE DESCONTO:





quarta-feira, 5 de julho de 2017

TOP 10 - OS FIGURAS DO FACEBOOK




Estou no Facebook desde 2013 e nesse tempo identifiquei algumas figurinhas carimbadas que marcam presença constante nessa rede social. Não se trata de criar um rótulo para eles, mas de reconhecer perfis de personalidades recorrentes e assim tentar entender o que vai na cabeça do ser humano. Fiz uma pequena lista na qual, em alguns dos casos, todos nós, se formos honestos, vamos nos identificar.


TOP 10 - AS DEZ FIGURINHAS MAIS CARIMBADAS DO FACEBOOK:


1-  O FANTASMA - 

Aceita, ou te envia solicitação de amizade, mas nunca, jamais, em tempo algum fala contigo ou interage de qualquer forma.



ou seja, a pessoa te ignora, te despreza completamente. Você pode casar, ter filhos, ganhar na mega sena, postar fotos nu, seus entes queridos podem morrer, você pode morrer, que o cara vai continuar fingindo que nunca vê você ali, mas acredite, ele vê! Seus posts estão sempre na pág principal dele, mas ele continuará estático e mudo, como um abominável homem das neves.



2- O CONQUISTADOR BARATO - 

É aquele que te manda solicitação de amizade e assim que você aceita, já começa e enviar msg no in box e a tentar te chamar no vídeo.



O camarada pensa que o Facebook é uma espécie de disque sexo e vai logo dizendo que você é atraente e pedindo que lhe mande fotos, alguns, mais sutis, tentam te convencer de que estão apaixonados e que desejam se casar com você, tudo pra que você os estimule numa boa punheta que será executada em sua homenagem.



3- O FALSO ROMÂNTICO - 

Ele te manda solicitação, quando você aceita, ele passa a curtir e comentar todos os seus posts, alguns dias depois vocês começam a conversar no in box, você acredita que ele é uma cara legal, mas depois que ele tem sua atenção nas msgs particulares, nunca mais interage com você publicamente.


Quer dizer, isso é o mesmo que acontece nos relacionamentos reais, seu parceiro é um Gentleman, é amigo, companheiro, apoiador, tdb (tudo de bom), na fase da conquista, mas assim que "acha" que dominou a situação, ele volta a ser o mesmo prego de sempre. No caso do nosso "falso romântico de facebook" a verdade é que ele faz a mesma coisa com várias (ou vários) ao mesmo tempo, por isso, logo que pode, ele some do seu perfil público pra que as outras, ou outros iludidos, não percebam o seu jogo. É um caso típico!



4- O FAMOSINHO-  

Esse todo mundo conhece, é aquela figura que tem quinhentos mil paga paus e te manda solicitação de amizade crendo que você será apenas mais um, ele posta qualquer tipo de lixo eletrônico e todas as suas idiotices recebem centenas de curtidas, desse modo ele acredita que você é mais um babaca que vai ficar babando o seu ovo.


Mas até aí tudo bem, você tenta então puxar um papo, conhecer a pessoa, afinal, ela te mandou solicitação de "amizade", porém, quando você tenta falar com a grande estrela, comentando algum post (idiota) dela, ela simplesmente te deixa no vácuo, e é nesse momento que você percebe que aquele ali é um escroto.



5- O DEPRESSIVOZINHO - 

Dá até um desanimo em falar desse ser humano. Tudo bem, eu sou da opinião de que todo mundo tem o direito de postar o que quiser em seu perfil, mas essa figura pensa que sua página no facebook é um divã de psicanálise, ou uma Ong de ajuda humanitária aos desvalidos emocionais, estilo novela mexicana ("Eu amo o Carlos Daniel do fundo da minha alma!" by: A Usurpadora).



Gente, é um tal de "se sentindo triste", "se sentindo doente", "se sentindo solitário"..., é uma choramingação atrás da outra, e tome frase feita, filosofia de para choque de facebook, indiretas cansativas, eles fazem de tudo pra chamar a atenção, chegam ao cúmulo de falar em suicídio, alguns inventam doenças que não existem e tudo pra chamar a atenção, para que as pessoas sintam pena e digam algumas palavras de conforto, sei lá, essa gente não bate bem!



6- O BBB - 

Chato, chato mesmo, é essa figurinha aqui, se não fosse anti higiênico a pessoa tiraria uma self limpando a bunda e postaria com a seguinte descrição: "finalmente o Activia fez efeito. kkkkk".



Mesmo que a gente não queira, acaba acompanhando o "roteiro da rotina corriqueira" dessa tediosa pessoa. Tudo começa no café da manhã,quando ela posta o que comprou na padaria e aproveita pra falar mal da balconista, até o almoço ainda dá tempo pra mais dois ou três boletins informativos do tipo: "indo para o trabalho!" ou "Se sentindo com dor de cabeça!" ou ainda: "Se sentindo confiante!" .Finalmente chega a hora do almoço, e como que se estivéssemos ansiosos para saber o que a criatura preparou especialmente para a ocasião, ela vai postar a sua comida favorita, ou aquela lasanha que ela mesmo fez provando que é uma pessoa prendada, ou pior ainda, ela vai comer no restaurante e faz questão de exibir o prato na mesa posta. Acho que não preciso continuar pra que todos saibamos o que vem nesta odisseia que será o dia: " Vou tomar banho", "Minha cachorrinha vomitou", "Me deitei um pouco agora pra descansar", "Ai, meu namorado acabou de ligar, vamos pra balada hoje á noite!" e daí por diante..



7-  O INTELECTUAL - 

Nesta categoria ficam os poetas, escritores filósofos e os Blogueiros literários. Há quem diga(e tenho certeza)que eles são pedantes. Quem não tem em seu círculo de amizades uma figurinha assim? Eles postam todos os dias, quase que religiosamente, seus textos maravilhosos(alguns nem tanto, outros mais até que maravilhosos),promovem incansavelmente suas obras, publicadas em qualquer formato, são extremamente determinados em levar seus escritos ao maior número de pessoas possível.



Sou suspeita a falar, mas essa turma(na minha opinião)é uma das que elevam o nível mental da coisa toda. Porém, é claro que, se precisamos passar tanto tempo debruçados sobre o facebook tentando ganhar a simpatia dos nossos colegas, é porque somos a parte da categoria que ainda não deu muito certo. A maioria de nós é aspirante, iniciante, independente, agonizante, somos secretárias, professores, comerciantes, chão de fábrica, pedreiros e etc, que se esforçam para alcançar um lugarzinho ao sol, com o sonho de um dia poder viver da nossa arte literária, alguns conseguirão, outros vão morrer na praia, especialmente se dependermos da boa vontade dos nosso"amigos" do facebook, salvo as "EXCEÇÕES", a grande maioria dos facebookeiros da vida torcem o nariz pra essa figura impertinente. Se você tem mil amigos constando em seu perfil, espere que deles, dez, no máximo, vão reconhecer o seu trabalho e te prestigiar, todo o resto vai te ignorar sumariamente, como os fantasmas da figura 1, pois a cada 100 brasileiros, metade de 1 gosta de ler, porque a outra metade dele, morreu de preguiça.



8- O GASPARZINHO

Esse é o que eu chamo de "O Fantasminha Camarada". Você não sabe de onde ele veio, não o conhece pessoalmente, mas ele te acolhe como amigo(mais até do muitas pessoas do mundo real)e permanece com você por anos, sempre interagindo, curtindo comentando, te mandando boas msg no in box, ou mesmo batendo aquele papo de vez em quando, e de repente, essa figura se torna importante na sua vida.


Ele não é pretensioso, não é arrogante e não puxa o seu saco esperando algo em troca. Ele não está ali para tirar nenhuma vantagem, só quer fazer amigos sinceros. Deveria existir mais dessas figurinha carimbadas, não apenas no facebook, como no mundo inteiro!



9- O DONO DA VERDADE -

Suas postagens são sempre inspiradoras e ilibadas, todas compartilhadas de posts batidos (da conhecida filosofia de para choque de facebook)




Tanta moralidade, tanto senso de justiça, talvez faça com que ele acredite em sua própria perfeição, ele é quase um monge no facebook, só se esquece que é um ser humano e como todo ser humano, também tem suas fraquezas, no entanto, vomita diariamente uma moralidade engessada dentro de uma hipocrisia quase ingênua. Mas ai vem um desagradável e diz: " Viva na realidade do seu dia a dia tudo aquilo que você posta na rede social!" e isso deve ser desconcertante pra ele, caso sua pretensão de dono da verdade seja uma atitude consciente



10- O SUPERFICIAL -

Essa figura não perde em popularidade, todo mundo tem em seu perfil aquela criatura que vive postando coisas de demonstrem seu status econômico.



Bolsas, sapatos, carros, maquiagem, viagens, restaurantes e baladas, são algumas das manchetes destes perfis. Comprou um carro? Nem espera sair da concessionaria pra postar a foto abraçando sua caranga, ainda com aquele laço vermelho e sempre com a descrição "Mais um sonho realizado". Em suas viagens, parece nem aproveitar o passeio porque passa todo o tempo tirando foto de tudo. Almoços em família com a mesa farta? "Eu tenho que compartilhar!", tênis de marca, promoção no trabalho, comida chinesa? Sou chique meu bem! Churrasco com Heineken? Vou mostrar que não bebo cerveja barata! Escova progressiva? Eu tenho a força!"



E assim termina o nosso top 10. Eu me enquadrei em apenas uma categoria oficialmente, mas, é claro minha gente, que todos nós temos um pouquinho de cada uma dessas figuras. Porque? Porque somos humanos, imperfeitos e, na maior parte das vezes, ridículos. Seja lá como for, nada disso nos faz pior ou melhor do que os outros, tudo isso junto nos faz apenas humanos de carne e osso, com o pior de todos os ingredientes, nossas personalidades peculiares. Somos todos ridículos, mas é isso que faz a vida valer á pena!


sábado, 1 de julho de 2017

PHRONUS - A CANÇÃO DA RUÍNA DOS MUNDOS / DE LUCAS NANGI


Lucas Nangi



Lucas Silva Nangi dos SantosGraduado em Direito pela Universidade de Uberaba
Graduado em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Pós-Graduado em Direito Constitucional Aplicado pelo Instituto Damásio de Jesus
Primeiro Secretário da Associação dos Educadores Por um País Melhor 


ASSISTA O VÍDEO DO NOSSO CANAL SOBRE ESTA OBRA:




Phronus - A canção da ruína dos mundos

Autor: Lucas Nangi
Gênero: Fantasia
Editora: Autografia




A história nos remete a um universo fantástico, feito de uma diversidade de mundos cheios de criaturas mágicas que povoam o nosso imaginário, Fadas, Álfures e Elfos, Demônios e Bruxas, são algumas das personagens trazidas ao nosso deleite. Em "Phronus - A canção da ruína dos mundos" vamos acompanhar a saga de uma linhagem de reis, em suas batalhas mortais contra Dushtar, uma grande Bruxa humana que, após fazer um pacto com um demônio, tornou-se a mais poderosa e cruel ameaça para o reino de Talar. Para combatê-la, as quatro aves sagradas libertaram a essência criadora, guardada por sua mãe, Feity, a ave sagrada da criação, em uma alma escondida no centro do Planeta. A essência criadora então, encarnou em uma criança de sangue real, denominado Magnus I , que ficou conhecido como o Phronus Celestial, dando início assim á várias gerações de reis que seriam confrontados por Dushtar.

Booktrailer do livro:




Minha opinião pessoal: Gente eu ameeeeei esse livro!!! Não tem como não gostar da história. É tudo tão convincente que te faz esquecer que se trata de uma ficção. Comprem o livro sem medo, tenho certeza que vocês não vão se arrepender, esse autor é genial!


ADQUIRA SEU EXEMPLAR DIRETAMENTE COM O AUTOR PELA PÁG DO FACEBOOK:




 SKOOB ( ADICIONANDO O LIVRO COM "QUERO LER", GANHE 10 REAIS DE DESCONTO:











domingo, 25 de junho de 2017

BULLYING - CONHECIMENTO É A MELHOR FORMA DE PREVINIR









ASSISTA O VÍDEO SOBRE A OBRA E A AUTORA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE:




É uma honra para mim trazer este título ao conhecimento dos nossos leitores "BULLYING - CONHECIMENTO É A MELHOR FORMA DE PREVENIR" de JULIANA MUNARETTI DE OLIVEIRA BARBIERI, é muito mais que uma literatura sobre o tema, é uma fonte de conhecimento e de instrução sobre como podemos lidar com este grave problema que assombra a nossa juventude. Eu como mãe de adolescente, senti que a autora me prestou um grande serviço, dando-me a ferramenta que faltava para que eu saiba, daqui pra frente, como me posicionar diante de circunstâncias que envolvam a pratica desta verdadeira violência.Trouxe este livro para o Blog, com o mesmo sentimento de estar passando á diante o serviço que a autora me prestou, por isso aconselho todas as pessoas a lerem a obra. Se queremos começar a construir um universo mais confiável para os nossos jovens, onde eles possam se desenvolver de maneira saudável e crescer como cidadãos, devemos nos apossar de todo o conhecimento possível a fim de evitarmos, ou pelo menos minimizarmos os traumas a que eles vivem expostos neste fase de suas vidas. Juliana Barbieri nos deu, através deste livro, a oportunidade de aprendermos a ser eficientes no combate ao BULLYING. Não deixem de ler esta obra, pois sempre existe alguém em nosso convívio que precisa, ou pode vir a precisar da nossa ajuda.

ADQUIRA A OBRA DIRETAMENTE COM A AUTORA. ACESSE SUAS REDES SOCIAIS:

FANCEBOOK: 


BLOG DA AUTORA:





NÃO SAIA DO POST SEM VER ESTE VÍDEO:


video





domingo, 18 de junho de 2017

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM A AUTORA MAYARA ALBUQUERQUE



Leitores do Phalavraria, hoje trazemos uma entrevista especial com a autora da obra "O Desconhecido", Mayara Albuquerque. Esta jovem autora nos trás um panorama bem amplo dos novos autores brasileiros, ela nos mostra, tanto através de sua obra, como das suas ideias, que no Brasil há uma nova geração de escritores talentosos e conscientes do seu trabalho, das dificuldades e das responsabilidades com a qualidade do que eles produzem, o que derruba aquela velha opinião de que autores nacionais e principiantes são acomodados, desleixados e que esperam um sucesso que caia do céu. Esta entrevista com a Mayara, de apenas 19 anos, que acaba de lançar seu primeiro título, não deixa qualquer dúvida de que este preconceito não tem nenhuma razão de ser. Essa nova geração de escritores é sim, talentosa, profissional e batalhadora, eles estão ai, esforçando-se diariamente para alcançarem seus espaços e nos trazendo uma literatura que vale á pena. Acompanhem...

ADQUIRA O E-BOOK DA OBRA DESTA AUTORA  ATRAVÉS DO LINK Á BAIXO: 
https://www.amazon.com.br/gp/aw/d/B01LVUW9ZC/ref=mp_s_a_1_2?ie=UTF8&qid=1495760568&sr=8-2π=AC_SX118_SY170_QL70&keywords=O+Desconhecido




EU: Mayara, em que momento da sua vida você decidiu se tornar escritora?


MAYARA: Aos 14 anos, minhas provas de redação na escola pediam para a gente completar um conto baseado em seu parágrafo inicial. No começo, eu entrei em pânico, achei que eu nunca conseguiria fazer aquilo, mesmo que minhas notas em redação fossem as melhores. Mas conforme fui tentando, comecei a gostar. Foi quando eu li o conto Gato Preto, de Edgar Allan Poe e fiquei fascinada. A partir dali decidi que ia tentar escrever meus próprios contos. No ano seguinte, tive uma ideia para uma história e pensei se conseguiria contar ela em forma de romance e não de conto. Não sabia se conseguiria, mas tentei sem pretenção alguma. Eu consegui, completei meu primeiro romance, que é hoje "O Desconhecido" e foi ali que eu decidi que não seria mais um hobby pra mim. Eu queria viver daquilo e tive a sensação de que era a única coisa da qual eu seria feliz vivendo. E desde então não parei mais


EU: E porque terror? É um gênero no qual você pretende dar continuidade em sua carreira ou foi algo eventual, podendo vir a escrever outros temas?


MAYARA: Pretendo continuar sim, é o gênero com o qual eu mais me identifico. Também me identifico com o gênero policial, adoro histórias de detetive e solução de mistérios, por isso incluí esse elemento nos próximos romances, que ainda estão em produção, e o misturei com o sobrenatural, que é o tema que mais estudo. Mas eu também já estou produzindo uma saga breve de Dark Fantasy, a qual estou me dedicando bastante, que também fala sobre o sobrenatural e pretendo lançá-la daqui a alguns anos.


EU: Muito legal! Como foi pra você Mayara esse processo de busca pela publicação? Quais as maiores dificuldades que você encontrou para entrar no mercado editorial?


MAYARA: Bom, procurei me informar e mandei o original para muitas editoras, para aquelas que se enquadravam nessa linha editorial, porém encontrei aquelas dificuldades mais recorrentes aos autores iniciantes, como a falta de dinheiro para publicar por editoras pagas, que aceitaram o original, e a recusa de editoras tradicionais. Algumas nem mesmo me responderam. Mas vi na publicação independente da Amazon uma oportunidade de ser lida. O que mais me importa, no momento, é que as pessoas leiam minhas histórias e que elas as toquem de alguma forma. O dinheiro é apenas uma consequência. Ainda assim, meu maior sonho é publicar O Desconhecido em formato físico. Quero pegar ele na mão e tê-lo na minha estante


EU: Agora fale um pouco sobre seus projetos futuros, O que o leitor pode esperar da escritora Mayara Albuquerque?


MAYARA: Bom, como disse, pretendo lançar mais dois romances na mesma pegada de O Desconhecido, porém com histórias completamente diferentes, das quais ainda não posso falar muito rsrsrs, e quando minha Dark Fantasy ficar pronta eu começo a publicar ela.


EU: Como é o seu processo criativo? Você tem alguma mania, algum rito, ou qualquer coisa que te ajuda a escrever?


MAYARA: Na verdade, não tenho muitas manias, apenas a de anotar qualquer ideia que me venha à mente e que tenha algum potencial rsrs Mas boa parte da minha inspiração vem de outras histórias e principalmente de músicas. Elas me ajudam a entrar no universo daquela trama. Mas procuro amadurecer a ideia ao máximo na minha cabeça antes de escrever, para ver se consigo levar ela adiante.Eu procuro pensar bem sobre os personagens para tornar eles o mais cativantes possíveis e tento aprofundar suas motivações. E principalmente tento fazer a história imprevisível.


EU: Você aconselha a auto publicação para escritores iniciantes? Isso tem correspondido ás suas expectativas?


MAYARA: Aconselho sim. Acredito que é um passo muito útil para se formar um público e apresentar seu trabalho. É claro que, mesmo se dedicando à divulgação, ninguém é reconhecido da noite para o dia por uma multidão de leitores, mas aos poucos, com dedicação e perseverança, a pessoa pode ir fazendo seu caminho no meio literário. E pode, quem sabe, ser notada por uma editora


EU: Além de escrever você tem algum outro ofício como profissão?


MAYARA: Ainda não transformei em profissão, infelizmente rsrs Mas eu vou me graduar em Jogos Digitais, então já escrevi alguns roteiros para jogos de videogame e pretendo trabalhar também com isso, em breve. E, como também sou muito fã de cinema, se aparecesse uma oportunidade para escrever um roteiro eu com certeza aceitaria rsrs


EU: Com certeza pode aparecer sim!
E pra gente terminar. Que conselho você daria para escritores iniciantes que estão entrando no mercado editorial, ou que ainda não deram esse primeiro passo?


MAYARA: Bom, primeiramente, tenha certeza de que a versão que você manda para as editoras seja a versão que você quer que as pessoas leiam, certifique-se de que a história está como você quer. Depois de terminar uma história, não se deixe levar pela euforia, deixe ela amadurecer por um tempo antes de revisar. Assim você corre menos risco de se arrepender de incluir ou de ter deixado de fora alguma coisa depois que o livro for publicado. Além disso, tente criar um público antes de publicar seu livro, crie uma página ou um canal no YouTube, qualquer veículo é válido. E lembre-se de que, principalmente se você for um autor independente, a divulgação não é algo que você faz apenas uma vez, ou alguns dias depois de lançar o livro, mas sim algo constante, você deve continuar divulgando seu trabalho sempre. Mas é claro que sem ser inconveniente com as pessoas. Não as incomode o tempo todo para que leiam seu livro. Se não você vai apenas afastar leitores em potencial rsr E sempre pesquise muito sobre o assunto sobre o qual você vai escrever, para não passar vergonha.A pesquisa é algo de extrema importância na escrita. Mesmo se você estiver escrevendo fantasia.Tenha certeza da coerência da sua história e tenha claro em sua mente o público alvo que quer atingir.


EU: São ótimos e sábios conselhos Mayara, até parecem conselhos de uma escritora consagrada. Parabéns por essa sua consciência e objetividade. Não há sombra de dúvidas de que você vai muito longe. Espero que o Phalavraria possa acompanhar você ao longo da sua escalada.


MAYARA: Muito obrigada Também espero

REVEJA NESTE LINK TUDO SOBRE A OBRA DA AUTORA, INCLUINDO O VÍDEO QUE FIZEMOS SOBRE ELA NO NOSSO CANAL:  http://www.phalavraria.com/2017/06/o-desconhecido-may-phantomhive.html