quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

FEIRA DO LIVRO DE CURITIBA





Um amigo escritor de outro estado veio me perguntar sobre a data da feira do livro em Curitiba, fui procurar informações e eis que descubro que Curitiba “NÃO TEM UMA FEIRA DO LIVRO”. A feira aconteceu por quatro anos consecutivos entre 2004 e 2007, mas pelas informações que pude obter, ela foi cancelada naquele que seria seu quinto ano, uns três dias antes do inicio do evento, e ainda assim, a feira não tinha o apoio direto da prefeitura da cidade, a fundação cultural de Curitiba simplesmente se manteve alheia ao que estava acontecendo.
O mais impressionante nisso tudo é a forma como este fato foi tão banalizado esses anos todos, os curitibanos se contentaram com os eventos restritos promovidos pelo Sesc /PR ou outros como a Litercultura, e ainda se suscita a pergunta sobre a necessidade de uma Feira do Livro para Curitiba. Bem, francamente pasma com tal indagação, eu, que só agora começo a me envolver no assunto, digo que até uma criança pode compreender a importância de um evento desses para qualquer comunidade, tanto para seus produtores de cultura literária, quanto para o público leitor. Quantos de nossos escritores iniciantes poderiam ser beneficiados? E quantos outros, de outros estados, poderiam participar trazendo seus trabalhos ao conhecimento do nosso publico? Quantos escritores consagrados da nossa Terra poderiam voltar aos holofotes sendo homenageados no evento, e assim chegarem a novos leitores, as nossas crianças, e a toda a nossa gente? Quantas das nossas pequenas editoras curitibanas ganhariam visibilidade? E quantas grandes editoras poderiam nos trazer sua contribuição, ganhando também novos apreciadores? Os benefícios são indiscutíveis para todos.
Promover a literatura é promover a cultura e a educação, é formar cidadãos conscientes, é desenvolver uma sociedade mais humana e próspera, então, levantar dúvidas sobre a utilidade ou a necessidade de uma feira do livro para Curitiba é, no mínimo um descaso, até ofensivo, contra o nosso povo.
Espero que os leitores do Phalavraria possam se manifestar sobre o assunto, porque se eu continuar aqui falando sozinha, nada vai ser transformado nesse sentido, precisamos erguer o volume dessa reivindicação através de muitas vozes e fazê-las chegar aos ouvidos de quem realmente decide as coisas por aqui, a Fundação Cultural e a prefeitura da cidade não podem mais continuar inertes ou se absterem de nos apresentar uma solução para esta carência do povo Curitibano. Curitiba precisa de uma “FEIRA DO LIVRO”.