quinta-feira, 30 de março de 2017

Crônica: " CONTEMPLAÇÃO



Ele me fez um poema, como que se o pouco que sabia de mim, lhe fizesse tanto sentido. Eu ali estava estática, eu ali estava estranha de mim mesma. Ele falou e falou, mas as palavras me soaram esmas. Era eu mesma naquelas linhas? Era eu mesmo que cabia naquele olhar?
Ainda não sei definir-me, ou defini-lo, ainda não sei se era aquilo que ele via em mim, ou se era o que ele queria que eu pensasse que via. Ainda estou contemplando as paisagens que ele insinuou sobre o que somos nós dois. Talvez sejamos uma alegoria daquilo que queremos encontrar no caminho, talvez sejamos um reflexo de nossas projeções momentâneas. Eu ainda o contemplo, e ainda tento encontrar em mim, aquela que ele descreveu no poema.